INTOLERÂNCIA AO GLÚTEN

Goût Rafinné

Também chamada de sensibilidade ao glúten não-celíaca, a intolerância ao glúten ocorre quando as possibilidades de doença celíaca e de alergia ao trigo foram descartadas.

Para você ter ideia, cerca de 75% dos intolerantes não manifestam qualquer sintoma aparente. Mas com o passar do tempo e o consumo frequente, o que não era nada pode se tornar uma doença autoimune, um dano permanente no sistema nervoso e até um câncer intestinal.
Algumas destas condições desenvolvem-se silenciosamente sem sintomas iniciais de fácil identificação.

Verifique alguns sintomas que podem sinalizar o problema:

Enxaqueca: o glúten pode deixar o metabolismo mais lento e assim o organismo tem dificuldade de eliminar toxinas, o que favorece o aparecimento de dores de cabeça e enxaqueca;
Distúrbios neurológicos e energéticos: como o glúten pode dificultar a absorção de nutrientes, alguns sintomas como fadiga, confusão, cansaço e alterações de humor podem aparecer principalmente após o seu consumo;
Problemas gástricos: assim como os celíacos, é possível que intolerantes tenham diarreias, prisão de ventre, produção excessiva de gases, estiramento abdominal, refluxo, além de anemia crônica;
Se você sente algum ou alguns desses sintomas frequentemente e nota que se agrava(m) ao ingerir glúten, deve buscar o quanto antes saber se o seu corpo tolera bem ou não esta substância. Assim evitará sofrimento desnecessário.

Profissionais qualificados, que não menosprezam a influência dos alimentos em nossa saúde, irão lhe recomendar a exclusão temporária da dieta de cada um dos quatro principais alimentos alergênicos, um de cada vez:
Glúten;
Laticínios de vaca;
Soja;
Ovos (especialmente os ovos de granja, provenientes de galinhas criadas com ração, antibióticos e hormônios)
A maioria das pessoas que eliminam o glúten por um período de duas a seis semanas observam que os sintomas recorrentes desaparecem.

By Guia da Boa Forma, O que é o glúten afinal?